Jurídico

Home » Jurídico » Justiça Federal no DF determina que PRF volte a usar radares móveis em rodovias

fundo

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA:

compartilhe facebookcompartilhe twittercompartilhe twitter

13 de dezembro de 2019

Justiça Federal no DF determina que PRF volte a usar radares móveis em rodovias

O juiz Marcelo Gentil Monteiro, da 1ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, determinou à Polícia Rodoviária Federal (PRF) que volte a utilizar radares móveis na fiscalização de rodovias federais. A determinação suspende portaria do governo federal que proibia o uso dos aparelhos.

O magistrado atendeu a um pedido do Ministério Público Federal (MPF) e deu prazo de 72 horas para que a PRF tome “todas as providências para restabelecer integralmente a fiscalização eletrônica por meio dos radares estáticos, móveis e portáteis nas rodovias federais”.

Acionada pelo G1, a PRF informou que ainda não foi formalmente notificada da decisão e, portanto, não vai se manifestar neste momento.

A decisão é temporária e suspende portaria publicada em agosto. À ocasião, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) endereçou ao Ministério da Justiça ordem para que a PRF suspendesse a utilização dos radares para evitar “desvirtuamento do caráter educativo” e “a utilização meramente arrecadatória dos aparelhos”.

A decisão restabelece o uso de três tipos de radares móveis:

Estáticos: instalados em veículo parado ou sobre suporte
Móveis: instalados em veículo em movimento
Portáteis: direcionados manualmente para os veículos
Além de suspender a ordem do governo federal, o juiz determina que a União “se abstenha de praticar atos tendentes a suspender, parcial ou integralmente, o uso de radares estáticos, móveis e portáteis”.

‘Desrespeitou competência’
Segundo o juiz Marcelo Monteiro, o despacho do presidente desrespeitou a competência legal do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) de “aprovar, complementar ou alterar os dispositivos de sinalização e os dispositivos e equipamentos de trânsito”.

O magistrado afirma que o ato foi tomado sem embasamento técnico e que a abstenção estatal de fiscalizar as rodovias “caracteriza proteção deficiente dos direitos à vida, saúde e segurança no trânsito”.

“Ao contrário do que sustentado pela União em sua manifestação, não é a medida judicial buscada nesta ação que é capaz de importar em violação à separação dos poderes, mas o próprio ato questionado ao suprimir a atuação de órgão colegiado cujo funcionamento está disciplinado em ato proveniente do Poder Legislativo.”

Aumento de acidentes
Na decisão, o juiz também cita a possibilidade de aumento no número de acidentes. Dados da Polícia Rodoviária Federal mostram que, desde que o uso dos aparelhos foi suspenso, os acidentes em rodovias federais cresceram.

Entre 16 de agosto e 31 de outubro, foram registrados 14.629 acidentes, 7,2% a mais em relação ao mesmo período de 2018.

Fonte: G1

porPor: ASCOM - SINPRF-BA

Relacionados

CONVÊNIOS


Convênio CCAA – Porto Seguro
SICOOB
FTC
Colégio Vitória Régia
Portobello Ondina Praia Hotel
BRWay Locadora
Novidade!
Colégio São Paulo
Novo Convênio Colégio Adventista
FACULDADE BAHIANA
Consócio Honda
Convênio Colégio Helyos
SINPRF-BA amplia convênio com o Colégio Anchieta
Portal Rio Una
Convênio Clube Bahiano de Tiro
UNIME
SINPRF/BA firma convênio com UCSal e descontos para filiados pode chegar a 35% na mensalidade e 50% na matrícula
UNIFACS
Faculdade Dom Pedro II – Barreiras
Sonora Centro Auditivo
Novo Convênio!
CENTRO EDUCACIONAL VILLA LOBOS LTDA
Ímpar Concursos
PARCERIA JAC MOTORS E SINPRF/BA
DAYHORC – Hospital de Olhos
Alpha Fitness
Convênio Com Sua Ótica
Minds English School

NEWSLETTER

Receba os boletins informativos do sindicado com novidades em seu e-mail