Artigos

Home » Artigos » Aposentadoria especial depende de provas de insalubridade

fundo

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA:

compartilhe facebookcompartilhe twittercompartilhe twitter

5 de janeiro de 2015

Aposentadoria especial depende de provas de insalubridade

A aposentadoria especial só pode ser concedida quando o trabalhador comprova insalubridade na atividade que desempenhava. Foi o que decidiu a 21ª Vara Federal do Ceará ao julgar ação de um engenheiro civil, servidor público federal, que reivindicava benefício referente ao período de 1978 a 1995.

A Procuradoria-Geral da União contestou o pedido. Argumentou que a legislação atual não admite mais o enquadramento por atividade para concessão do benefício, mas somente a comprovação efetiva da atividade em condições especiais. Isso em razão da Lei 9.032/95, que passou a exigir também o tempo de trabalho de maneira permanente, não ocasional, nem intermitente, em condições especiais que prejudiquem a saúde e a integridade física, durante o período mínimo de 15, 20 ou 25 anos.

Segundo a procuradoria, “se o cargo de engenheiro, apenas por isso, permitia a consideração de que o servidor ou funcionário desempenhava atividade insalubre, era de ter por certo que também tinha direito ao adicional de insalubridade, mas a parte autora não faz qualquer referência ou prova de que recebeu tal adicional”.

De acordo com o órgão, essa evidência derruba a alegação de que o servidor teria situação diferenciada simplesmente por ocupar cargo de engenheiro. A procuradoria alegou também que o servidor não desempenhou de forma contínua as funções do cargo. Entre 1980 e 1982, ele foi prefeito do município de Cacoal (RO), o que já torna improcedente a ação ajuizada contra o INSS.

A primeira instância acolheu os argumentos e negou os pedidos, com base em entendimento do Supremo Tribunal Federal de que a Constituição não garante a contagem de tempo de serviço diferenciada ao servidor público, mas tão somente a concessão da aposentadoria especial mediante a prova do exercício de atividades exercidas em condições nocivas.

ConJur  – com informações da Assessoria de Imprensa da AGU

porPor: Ascom/PRF-BA

Relacionados

CONVÊNIOS


Faculdade Dom Pedro II – Barreiras
UNIFACS
Alpha Fitness
PARCERIA JAC MOTORS E SINPRF/BA
Ímpar Concursos
FTC
Colégio São Paulo
UNIME
CENTRO EDUCACIONAL VILLA LOBOS LTDA
Convênio Colégio Helyos
Convênio Clube Bahiano de Tiro
BRWay Locadora
Colégio Vitória Régia
DAYHORC – Hospital de Olhos
SINPRF-BA amplia convênio com o Colégio Anchieta
FACULDADE BAHIANA
Convênio CCAA – Porto Seguro
Minds English School
SICOOB
Convênio Com Sua Ótica
Consócio Honda
Sonora Centro Auditivo
Portobello Ondina Praia Hotel
Portal Rio Una

NEWSLETTER

Receba os boletins informativos do sindicado com novidades em seu e-mail