Jurídico

Home » Jurídico » Adicional de penosidade deve ser regulamentado

fundo

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA:

compartilhe facebookcompartilhe twittercompartilhe twitter

9 de Fevereiro de 2015

Adicional de penosidade deve ser regulamentado

A Lei 8.112/90, ao instituir o adicional de atividade penosa (ou adicional de fronteira) pelo exercício de atividade laboral em zonas de fronteiras ou em localidades cujas condições de vida o justifiquem, condicionou seu pagamento à regulamentação da vantagem. A 1ª Turma do TRF da 1ª Região adotou esse entendimento para reformar sentença que condenou a União a implantar, em favor de uma servidora, ora autora, o adicional de penosidade, no percentual de 20% sobre seu vencimento básico.

Em apelação, a União sustentou que até o presente momento não houve qualquer regulamentação do dispositivo legal que prevê o pagamento do referido adicional, bem como que não é possível evocar uma norma editada pelo Ministério Público Federal para impor o pagamento do benefício a servidores de outros órgãos e entidades.

Em seu voto, o relator, juiz federal convocado Jamil Rosa de Jesus, afirmou que a Constituição Federal (art. 84) conferiu ao presidente da República a competência privativa para sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, assim como expedir decretos e regulamentos para sua fiel execução.

Nesse sentido, “não pode ser estendida a regulamentação a que procedeu a Procuradoria-Geral da República, mediante a edição de Portaria, estabelecendo os valores, o período e, sobretudo, as situações que se enquadram como sendo passíveis de concessão do adicional para os servidores do Ministério Público da União, porque os autores não se vinculam àquele órgão”, disse o magistrado.

O relator afirmou ainda que “Não é a lotação do servidor em qualquer cidade que se situar na zona de 150 quilômetros fronteiriços a outros países que justifica o pagamento de adicional da espécie, mas a própria definição de zona de fronteira, para esse fim, reclama regulamentação, e assim também o que seriam localidades que, mesmo distantes da fronteira, ofereçam condições de vida que justifiquem a percepção da vantagem”.

A decisão foi unânime.

Processo n.º 0004030-69.2013.4.01.4200

Fonte: Assessoria de Imprensa do TRF1 – via Blog do Servidor Público Federal 

porPor: Ascom/PRF-BA

Relacionados

CONVÊNIOS


Convênio Com Sua Ótica
FTC
Convênio CCAA – Porto Seguro
Colégio São Paulo
Sonora Centro Auditivo
Alpha Fitness
Convênio Clube Bahiano de Tiro
SICOOB
UNIFACS
FACULDADE BAHIANA
PARCERIA JAC MOTORS E SINPRF/BA
Faculdade Dom Pedro II – Barreiras
BRWay Locadora
DAYHORC – Hospital de Olhos
CENTRO EDUCACIONAL VILLA LOBOS LTDA
Portobello Ondina Praia Hotel
Minds English School
Convênio Colégio Helyos
SINPRF-BA amplia convênio com o Colégio Anchieta
Colégio Vitória Régia
Portal Rio Una
Consócio Honda
UNIME
Ímpar Concursos

NEWSLETTER

Receba os boletins informativos do sindicado com novidades em seu e-mail